Uncharted 3 – Drake’s Deception: Marketing de primeira 2


9 Flares Facebook 3 Twitter 4 Google+ 2 Pin It Share 0 Email -- 9 Flares ×

Uncharted 3 análiseQuem que é nerd aqui, hein manolo???

Fala galera do Who’s Nerd, beleza? Me chamo Valder Bomfim e a partir de hoje,  estarei contribuindo com o blog comandado pelo nobre colega Igor Queiroz. Na parte de games, pretendo focar mais nas plataformas da Sony, PS3 e PSP. Mas antes que comecem a me chamar de sonysta, já digo logo: Não tenho preferência por nenhum console. Para mim todos são válidos desde que tragam uma boa experiência ao jogador. Além dos games também estarei postando novidades sobre tecnologia, então aguardem.

Mas chega de conversa mole, vim aqui pra dizer isso aqui ó:

Uncharted 3 – Drake’s Deception: Marketing de primeira.

Uma campanha de marketing faz a diferença na divulgação do seu produto? Sem dúvida. E a campanha de Uncharted 3 – Drake’s Deception, jogo exclusivo para PS3,  fez isso muito bem. O jogo ficou tão “overhyped” que me convenceu logo no seu primeiro anúncio de que eu o teria na minha coleção. No fim das contas, esse meu overhype estava muito over mesmo.

Se você me perguntar: mas vale a compra? Vale sim, e muito. O problema é que seria muito difícil a Naughty Dog superar o sucesso do jogo anterior, Uncharted 2 – Among Thieves, que é um dos melhores jogos do console da Sony. É claro que há uma evolução do 2º para o 3º título, principalmente no capítulo do deserto (que não passam de cenas onde você pode mover o personagem). A textura da areia se movendo, as pegadas na areia, o cenário em volta, grandes dunas para onde quer que você olhe… Na verdade, o jogo é cheio de cenários mas tem quatro cenários bem marcantes: o deserto, o navio, o avião e a “adolescência de Nathan Drake” que mostra quando o então garoto de mais ou menos 12 anos conheceu seu mentor Victor Sullivan, de um modo bastante peculiar. O grande destaque desse jogo é sem dúvida a narrativa, que aprofunda muito mais a relação de Sully e Drake a algo como pai e filho, além de muitas reviravoltas dentro do universo de Uncharted. Mesmo com esses requisitos, a duração do jogo é menor que a de seu anterior.

Nate e Sully

Velhos e novos aliados aparecem e dessa vez ficam mesmo em segundo plano, já que eles somem e não aparecem mais durante o resto do jogo inteiro, vide Chloe e o novato Cutter.
<SPOILER>
Pra mim, a história ficou mesmo interessante depois da  morte de Sully que mesmo sendo irrelevante, deu um gás incrível na história já no finalzinho do jogo.
</SPOILER>
Os vilões dessa vez são mais irritantes e ao que parecem mais resistentes as investidas de Drake. Destaque para Talbot, um engomadinho insuportavelmente arrogante, o qual tive vontade de matá-lo já na primeira vez que o ví. A coroa, Katherine Marlowe acaba tendo certa relevância, já que ela também faz parte do passado de Drake e Sully.

Marlowe

Quanto aos aspectos técnicos, o jogo também não decepciona. Nos combates corpo a corpo, os controles funcionam muito bem. O controle das armas foi um dos alvos de maiores reclamações dos fãs da série, mas já foi lançado uma atualização que permite voltar aos controles anteriores. O único inconveniente é quando você tenta se esconder em uma parede lateral e acaba em outra, fazendo com que o inimigo te encontre e alerte todos os outros a sua volta. O multiplayer foi outro ponto que melhorou. Tem todos os elementos do anterior, mas com algumas opções e modalidades a mais.

Uncharted 3 Multyplayer

Por mais belo que o jogo esteja, preciso reconhecer: Uncharted 2 ainda é o melhor da trilogia. Uncharted 3 peca por ser muito cinematográfico e não soube balancear com mais elementos de ação. Ainda assim vale a compra e não um aluguel. Dando notas aos jogos já lançados, tirando Golden Abyss que só saiu no Japão até agora e é exclusivo para o PS Vita:

>> Uncharted – Drake’s Fortune: 8,0

>> Uncharted 2 – Among Thieves: 10,0

>> Uncharted 3 – Drake’s Deception: 9,0

Bem pessoal, esse foi meu primeiro post aqui no Who’s Nerd? Espero que tenham “curtido muito no Facebook” e aguardem por mais novidades. Inté oto dia Zé!


Sobre Valder Bomfim

Apaixonado por games desde os 5 anos de idade quando dei meu 1º soco em "Alex Kidd in the Miracle World" e sonhando que um dia conflitos armados possam ser feitos exclusivamente por ambientes virtuais ultra-realistas. Ando me desdobrando em 3 para seguir meus objetivos, que é atuar no setor de jogos nacional de alguma forma, se possível produzindo meus próprios projetos.

  • Marco Júnior

    Parabéns pelo post Valdim, ficou show de bola. E boa sorte aew no Who’s Nerd? Grande Abraço.

    • Valder Bomfim

      Vlw pela força, Jota Erre!