O Futuro dos Consoles 1


8 Flares Facebook 1 Twitter 4 Google+ 3 Pin It Share 0 Email -- 8 Flares ×

Há algumas semanas, após ler essa matéria do techtudo, senti aquele princípio de pulga atrás da orelha e comecei a me questionar: será que vamos chegar a ver uma nona geração de consoles? Para tentar achar essa resposta, vamos falar um pouco de história.

Há algum tempo, por volta de 2009, teve início uma série de especulações a respeito da próxima geração de jogos para PC. Na época se acreditava que a pirataria, o alto custo e o baixo retorno decretariam a morte prematura da plataforma PC no tocante a jogos, muito gente estava convencida e algumas empresas já consideravam a possibilidade de trabalhar apenas com consoles. Foi nesse ponto que surgiu um dos maiores divisores de águas da indústria dos games: o Steam. Apesar do projeto datar de 2001 e já ter jogoSteam Powers de terceiros a venda desde de 2005, foi nesse momento que o Steam realmente surgiu como uma força motriz nos jogos para PC, e sucesso da sua estratégia de vendas levou a uma reviravolta total nos rumos da indústria de games para essa plataforma.

 

O motivo de eu ter contado essa historinha, foi contextualizar o que está acontecendo agora com a indústria dos games para console. O problema dos consoles não é a pirataria. Sim, ainda há muita pirataria principalmente quando falamos de Xbox 360, mas a Xbox Live, a PSN e os bloqueios inacreditavelmente eficientes que a Sony projetou pro PS3 tem conseguido segurar os “tapa olhos e pernas de pau” de forma mais ou menos satisfatória até agora. O problema dos consoles está neles mesmos, ou melhor no seu hardware.

Sabendo que a Lei de Moore não se aplica aos consoles, pois uma nova geração até agora levava entre cinco e dez anos pra surgir, o delay de atualização faz com que o hardware que os compõe pare no tempo. Enquanto os jogos pra PC podem evoluir a cada seis meses ganhando gráficos e elementos cada vez mais complexos, os jogos para console estão presos a um mesmo hardware por anos, e apesar da evolução nesse caso também acontecer (com o melhor domínio dos programadores sobres os recursos disponíveis) a mesma não acompanha, nem tem como acompanhar o ritmo vertiginoso dos computadores. Chegamos ao ponto que o PC alcançou e superou qualquer vantagem que um console pudesse ter, seja ela gráfica, de processamento, de número de títulos ou de preço, tanto do aparelho quanto dos jogos.

Sera que isso roda no PS3/Xbox 360?

Outra golpe contra os consoles está sendo preparado enquanto escrevo, o Cloud Gaming é inegavelmente uma tendência pro futuro, e se as coisas forem no caminho em que parece que irão, o último nicho dos consoles, jogadores que não querem ter que lidar com a complexidade de manter um PC para jogos, vai cair. Essa tecnologia permitirá jogar games extremamente exigentes, em termos de recursos, através de dispositivos móveis, TVs e qualquer coisa que possua uma internet decente, um browser e possa rodar aplicativos Java, inclusive PCs. Além da facilidade, uma assinatura permitirá ter acesso a um a grande série de jogos, o que será muito mais barato do que adquiri-los individualmente. Iniciativas como o Gaikai, o Onlive e as Smart TVs com suporte a cloud gaming da Samsung e da LG já dão um vislumbre do que pode vir a ser o mercado de games dentro de alguns anos, e não estou falando de muitos, se o Steam levou 8 anos pra “pegar”, o jogo na “nuvem” pode levar bem menos.

Creio que se tiver de existir uma nona geração de consoles, tem que acontecer alguma coisa agora, algo tão revolucionário quanto o Steam foi para os PCs, pois caso contrário duvido muito que valha a pena pagar por um aparelho que terá todas as suas funções absorvidas e executadas de modo muito mais eficiente por coisas tão comuns quanto uma TV, um Tablet ou o seu PC velho de guerra.


Sobre diego

Tecnólogo em redes de computadores e proficiente em todos os ramos de conhecimento Nerd e Geek, em especial computadores, celulares, gadgets e RPG. Sonha e ficar rico lançando uma franquia de livros sobre um certo mundo Steam Punk a qual nunca começa realmente a escrever e/ou lançando os jogos pra celular que projeta mas nunca executa por que acha java muito chato e vai deixar pra aprender "só ano que vem".

  • jeffcaio

    Falou bem o post, mais no final ae da sua historinha boy”” lembrando que ainda as TV´s Smart e outros vão ter que comer muitos anos de brigas contra os consoles essas multinacionais sonhão em chegar este ponto de um simples aparelho superar um console, MAIS acredito que eles possão disputar apenas no gráfico e futuro no processamento da qualidade do game, MAIS na jogabilidade isso não acontece tão cedo. Mais belo post, e parabens para a Who´s Nerd por ceder este espaço para o Kriador(DiegoSampaio).