10 dicas de como pensar “fora da caixa” para desenvolvedores Indies 2


17 Flares Facebook 5 Twitter 7 Google+ 5 Pin It Share 0 Email -- 17 Flares ×

igor_queiroz_10_dicas_para_desenvolvedores_indies.03.05

Se você pensa em criar o seu jogo dos sonhos e anda atrás de inspirações para começar o seu projeto revolucionário, é bom antes de mais nada planejar. É sabido que aquele que planeja, tem menos chances de provar o amargo sabor do fracasso. Então, meu caro amigo aspirante a desenvolvedor independente, siga essas 10 dicas de como enxergar as coisas fora da caixa, e continue persistindo.

Esse apurado de ideias sobre o que os desenvolvedores independentes precisam, veio de um debate na GDC 2012 (Game Developers Conference), onde vários profissionais da área fizeram um verdadeiro brainstorm e o resultado vocês podem ver abaixo.

Inove melhor

Aqui entra uma reclamação minha que já compartilhei algumas vezes com vocês por aqui: “O mercado anda saturado de ideias repetidas e nada inovadoras”. Nesse caso ser redundante é propositalmente necessário, visto que a plastificação da indústria anda nesses trilhos desde um certo tempo.

A dica aqui é para pensar fora da caixa mesmo, imaginar algo que não foi criado. Busque um nicho ainda não explorado. Você pode até criar o seu mais novo tower defense revolucionário, mas a chance que esse mesmo jogo caia no ostracismo é assustadora. Mas é bom lembrar que mesmo que o seu jogo seja de fato inovador, ainda assim há uma grande chance de ele morrer prematuramente sem ter mostrado todo o seu potencial.

Pense como um desenvolvedor Web

Dessa vez o foco dessa dica ficou por conta dos programadores, que na maioria dos jogos independentes representam uma grande fatia da equipe envolvida. Desenvolvedores web mais experientes não se preocupam apenas em fazer um software, mas também se preocupam com a produtividade, com a escalabilidade e todos aqueles termos que estamos cansados de ouvir nas aulas dos cursos de tecnologia da informação.

Os desenvolvedores web se preocupam não só em finalizar o seu software, mas também se preocupam em como ele está sendo feito e em que ferramenta ele está sendo feito. E em uma análise mais específica, buscam saber inclusive se aquela ferramenta está sendo aprimorada ao longo do tempo.

Com os jogos deve ocorrer o mesmo, o desenvolvedor precisa estar ciente de quais ferramentas lhe garantirão uma melhor performance e quais estão em constante evolução. Precisamos procurar ferramentas de desenvolvimento que facilitem a nossa vida, tornando o nosso trabalho menos enfadonho e mais produtivo, e consequentemente nos deixando mais felizes.

igor_queiroz_10_dicas_para_desenvolvedores_indies_unity_3d.03.05

Deixe de lado o ego

Outro ponto discutido foram as discussões improdutivas da comunidade de desenvolvedores independentes. Vez por outra em eventos onde se reúnem desenvolvedores de todos os cantos, é comum ver assuntos como a falta de “alma” nos jogos da Zynga ou como a Electronic Arts (EA) é preguiçosa.

Eu realmente tenho o pé atrás com a Zynga, o público alvo dela não me agrada, assim como obviamente não me agradam os seus produtos. Reconheço que os números falam mais alto do que o bom senso, e não é lá muito difícil ver artigos a respeito do crescente faturamento dessa que é a maior empresa de jogos casuais.

A IGF não te tornará um sucesso

Desde o sucesso do jogo da Polytron, Fez, e do bem sucedido documentário Indie Game: The Movie, há uma certa crença de que a IGF (Independent Games Festival) lhe fará se tornar um grande sucesso só pelo fato de estar lá presente.

A verdade é que o time da Polytron trabalhou por longos cinco anos para que Fez finalmente fosse lançado. Não há atalho para o sucesso, não há fórmula mágica para lhe fazer ficar rico com jogos independentes da noite para o dia. A bem da verdade, na maioria dos casos, o fracasso é a porta da frente. Então, sigam a dica do Jonathan Blow, e apenas façam um jogo excelente.

Explique o seu jogo de uma forma que até um bundão entenda

Existem várias formas de apresentar o seu jogo, mas não espere que um punhado de screenshots, trailers e um texto vago fará que seu jogo seja entendido pela maioria. Em casos mais extremos, é difícil identificar até mesmo a qual gênero o jogo pertence.

Não superestime o seu público alvo e tampouco subestime a sua capacidade de escrever, faça com que seu jogo seja bem apresentado, por que uma apresentação falha pode comprometer todo o seu projeto. A ideia é que você explique do que o seu jogo se trata, como o jogador poderá interagir com o resto do ambiente, e assim por diante. Quanto mais detalhada for a sua apresentação, maior será o nível de entendimento de quem olhá-la.

igor_queiroz_10_dicas_para_desenvolvedores_indies_machinarium.03.05

Não tenha medo de ser intrometido

É praticamente impossível fazer um bom network se você não for ao menos um pouco cara de pau. As oportunidades estão sempre surgindo, e tudo o que você precisa para dar um passo a frente é um pouco de atitude. Procure participar de eventos relacionados a indústria independente, e procure falar com as pessoas certas sobre os seus projetos, você nunca sabe qual será o produto de uma abordagem se não arriscar.

Lembre-se que antes de você já existem pessoas há mais tempo na estrada, lembre-se da terceira dica e busque expandir o seu leque de amizades, elas podem se mostrar tão mais importantes do que o seu vasto conhecimento em físicas de colisão.

igor_queiroz_10_dicas_para_desenvolvedores_indies_intrometido.03.05

Sua tecnologia é mais do que uma ferramenta

Quando você estiver desenvolvendo o jogo, nunca trate os seus limites tecnológicos como parte isolada do projeto. A tecnologia envolvida em um jogo, está intrinsecamente ligada ao todo do mesmo.  Entenda as suas limitações tecnológicas e faça com que elas se agreguem ao seu projeto de forma homogênea.

Procure por inspirações visuais

Quem conhece a história de como Shigeru Miyamoto (o criador de Mario e outros clássicos da Nintendo), sabe que muitos dos elementos de seus jogos vieram de experiências vividas por ele em sua infância.

A verdade é que as inspirações visuais estão aparecendo a todo o instante, e cabe a nós procurar percebê-las e fazer bom uso delas. Um passeio de carro, ônibus ou metrô pode lhe trazer bons frutos de inspiração. Tente focar mais a sua atenção na sua percepção aos detalhes, e talvez você consiga achar o que você estava precisando para começar ou dar continuidade ao seu projeto.

Desenvolvimento de jogos é para todos

Aqui o tópico fala por si só, há espaço para todos! Se na indústria de jogos das grandes empresas e gigantescos orçamentos essa realidade está longe de ser… realidade, o contrário ocorre na indústria de jogos independentes.

Se você está começando agora, busque entrar em contato com quem já está na área, há um mercado sedento por novas ideias, e não há barreiras que impeçam a sua ideia e nem a sua vontade de fazer jogos com orçamento apertado.

Pense em infinitas dimensões

igor_queiroz_10_dicas_para_desenvolvedores_indies_braid.03.05

É aqui onde mais uma vez reforçamos a ideia de inovação. Não se prenda aos conceitos existentes. O seu objetivo como desenvolvedor independente é criar algo único, mesmo que para isso você precise inventar um novo gênero.

Busque novas formas de representação de mundo, pois há uma infinidade de possibilidades ainda não abordadas, que estão ali só esperando a sua epifania para que possam vir a existir.

E nunca se esqueçam, antes das grandes desenvolvedoras se tornarem grandes desenvolvedoras, elas (ou boa parte delas) começaram como verdadeiras desenvolvedoras independentes lá pelo final da década de 70 e início da década de 80.

[via GamaSutra]

  • Pingback: Sopre o Cartucho | Sopradas da Semana #1001()

  • Crislaine Alves Dos Santos

    pra mim Crislaine Alves pensar fora da caixinha é pensamento elevado como : pensar na vida pensar como vai ser amanhã é isso ai