Old School: Shadow of the Colossus


14 Flares Facebook 7 Twitter 5 Google+ 2 Pin It Share 0 Email -- 14 Flares ×

shadow of the colossus 000 artSalve, salve nerdalhada! Depois de um hiato ENORME sem termos qualquer post por aqui, finalmente chegamos ao triunfal retorno do whosnerd. Retorno esse de um intervalo totalmente não anunciado, que apesar de ter lá os seus motivos de ter acontecido, não irei me prolongar dando explicações, acredito que o tempo pode ser melhor gasto com o post que vem a seguir.

Old School: Shadow of the Colossus – Um clássico que já tem quase 10 anos

Como diria o antigo jingle da Poupança Bamerindus (se você nasceu na metade da década de noventa é provável que nem saiba do que estou falando), “♪ O tempo passa, o tempo voa, e a Poupança Bamerindus continua numa boa… ♫“, e o tempo passou, amigos nerds, e em Outubro de 2014, o jogo exclusivo do Playstation 2 (àquela época) Shadow of the Colossus, a obra prima do Team Ico, completa seus 9 anos de idade, e não sei vocês, mas para mim parece que faz bem menos tempo que o joguei pela primeira vez. E esse post segue a mesma ideia dos outros da sessão Old School, que é fazer uma análise do antigo jogo, e ao mesmo tempo relembrar de mais um grande clássico de uma época remota.

shadow of the colossus 000Alguns dias atrás resolvi relembrar as aventuras do pequeno matador de gigantes e seu fiel equino em sua versão HD para PS3, e após quase nove anos desde a última vez que o joguei, devo dizer que as sensações que senti não foram tão diferentes das que senti a primeira vez que o joguei. Portanto, sem mais delongas, vamos ao nosso Review de Shadow of the Colossus?

Shadow of the Colossus: Sobre um homem, uma mulher morta, um cavalo e um fantasminha não tão camarada.

Antes de mais nada, devo dizer que Shadow of the Colossus é praticamente um jogo conceitual, só não o é por que por sorte saiu do papel e foi parar nas prateleiras das lojas especializadas do mundo todo (ainda bem!). Mas por que conceitual, tio Whosnerd? Bem, meu jovem nerd(sic), a melhor resposta que tenho em mente é a seguinte: Por que se você procurar rotulá-lo de qualquer gênero de jogo já existente, o máximo que vai conseguir é uma aproximação bem capenga, posto que Shadow of the Colossus, para todos os efeitos, é um item raro e único. Contaremos a partir de agora o que o faz tão ímpar. Tudo começa pelo seu formato de Storytelling, onde longos diálogos estão descartados, sendo assim usado predominantemente o próprio gameplay ou algumas cutscenes com pouco ou nenhum diálogo para contar a maior parte da sua solitária aventura. Lendo até aqui, parece que para os fãs de uma boa e intrigante história, esse jogo parece ser bem ruinzinho, mas podem ter certeza que não é.

shadow of the colossus 001 artTudo começa quando Wander, o protagonista, decide ressuscitar uma garota chamada Mono, que ao que parece foi sacrificada por um ritual tribal por aparentemente ter alguma espécie de maldição. Para tanto, Wander se apossa de uma Espada Antiga (Ancient Sword) com poderes mágicos capazes de ceifar as vidas dos colossis. Colossis são criaturas em sua maioria de tamanho colossal que habitam A Terra Proibida (Forbidden Land), uma vasta península que só pode ser acessada através de uma longa ponte ao norte do continente fictício onde se passa a história de Shadow of the Colossus. Essa tal ponte dá acesso ao Santuário da Adoração (Shrine of Worship), e é lá onde o desenrolar da história acontece. Como nada de específico é dito sobre a personagem Mono, fica a cabo do jogador imaginar qual a ligação da mesma com o personagem, se ela é uma amante, uma parente ou uma completa desconhecida, isso nunca é explicado, mas eis a graça do plot, pois isso se torna irrelevante, bastando apenas sabermos que seja lá quem ela for, ela é importante o suficiente para fazer o nosso herói enfrentar os perigos mais inimagináveis para trazê-la de volta à vida.

Por falar em trazê-la de volta, é no Santuário da Adoração que Wander pela primeira vez entra em contato com Dormin, uma entidade amórfica e sobrenatural que promete ressuscitar Mono caso Wander seja capaz de derrotar todos os dezesseis colossis espalhados pela Terra Proibida. É aí que Wander junto ao seu cavalo Agro partem com a desafiadora missão de derrubar todos os colossis e, assim, trazer a vida de Mono de volta. Falar mais do que isso sobre a história de Shadow of the Colossus seria considerado spoiler, então, deixo para vocês que nunca o jogaram tirarem as suas próprias conclusões.

Shadow of the Colossus: Um controle simplório, mas eficaz (na maior parte do tempo)

Não vou dizer que a jogabilidade de Shadow of Colossus é perfeita, pois não é. Basta você tentar algumas vezes montar no Agro mesmo parado, para perceber que isso pode tirar um pouco da sua paciência, principalmente nos momentos onde precisamos de agilidade e precisão. No entanto, na maior parte do tempo, a jogabilidade de Shadow of the Colossus é bem competente, principalmente nas longas cavalgadas pela vasta Terra Proibida. Sem dúvidas, o maior charme de Shadow of the Colossus em termos de jogabilidade, é quando enfrentamos nossos enormes inimigos.

shadow of the colossus 001Cada um com estratégias bem peculiares, pontos fracos próprios e uma variedade enorme de táticas para alcançar o seu objetivo em cada batalha. Fora isso, o que nos sobra de jogabilidade é vasculhar o grande cenário por árvores frutíferas, que quando acertamos uma flecha em seus frutos, os mesmos nos proporcionam um aumento da barra de vida (o velho Life), e uns lagartos de rabo prateado, que aumentam o nosso medidor de fadiga (ou stamina). Resumindo, em Shadow of the Colossus você cavalga, atira com Arco e Flecha, escala, e eventualmente crava a Espada Antiga nos pobres colossis.

Shadow of the Colossus: Tudo sobre uma terra cheia de paisagens lindas e inimigos enormes

Uma das características mais impressionantes de Shadow of the Colossus sem sombra de dúvida é o seu gráfico. Mesmo na sua versão original feita para PS2, o jogo consegue trazer uma qualidade gráfica muito acima da média para os jogos do já antigo console da Sony. Lembro-me bem de passar horas simplesmente babando com as diversas paisagens de SotC, desde as terras desérticas até mesmo os vastos campos verdes das planícies. Quanto ao detalhe gráfico dos personagens, para quem jogou o jogo anterior do Team Ico, já deve estar acostumado com as cores mais neutras, buscando dar um tom mais sóbrio e até mesmo mórbido aos seus personagens humanos. Agro por sua vez é um modelo equino muito bem feito, com direito a articulações bem produzidas, uma crina esvoaçante e tudo mais. O clima bucólico de Shadow of the Colossus dá-se pela imensidão do cenário habitado apenas por pouquíssimos animais e os colossis existentes. É inevitável se sentir imerso nessa jornada de um homem só, e tudo isso por culpa justamente dessa vastidão de terreno desabitado.

shadow of the colossus 002 artO grande foco nos detalhes vai para cada um dos dezesseis colossis, que são tão cheios de detalhes, tão cheios de características únicas, que fica difícil não se apegar a cada um deles, e inclusive sentir uma certa pena ao matá-los. Por falar em matá-los, um detalhe gráfico que nem todos percebem é o da transição do personagem principal Wander. No começo do jogo a cor rubra reina na cabeleira do protagonista, e a cada colossi que é ceifado, aos poucos ele vai deixando para traz o cabelo ruivo para dar lugar a um cabelo cada vez mais negro, além de alguns detalhes negros na própria pele. Para aproveitar melhor ainda os gráficos desse clássico, acredito que seja desnecessário dizer que é interessante jogá-lo já nessa versão HD feita para o PS3.

Shadow of the Colossus: A cada batalha épica, uma música épica para acompanhar

É óbvio que não é só de músicas épicas que Shadow of the Colossus é feito, mas todas são utilizadas harmonicamente na hora certa, no momento certo. A música unida ao gráfico e aos efeitos sonoros, em sua grande parte de ventania, nos remetem a mais inconveniente solidão, e ao mesmo tempo uma sensação contemplativa pouco sentida em jogos eletrônicos. As músicas de Shadow of the Colossus se dividem entre as grandes músicas épicas orquestradas, as instrumentais tribais e até mesmo a coros religiosos. Muitas músicas de SotC também nos bombardeiam de sensações de suspense, a maior parte dessas quando estamos prestes a nos deparar com o nosso próximo colossi.

shadow of the colossus 002É impossível não sentir calafrios ao ver aquele inimigo colossal aparecer junto a uma música orquestrada impactante. Como você em 87,5% dos casos (é, eu fiz o cálculo exato) estará enfrentando inimigos ridiculamente maiores que você, a música obviamente tem um impacto magistral nos combates com os colossis, e ela provavelmente vai fazer você muitas vezes ficar mais desesperado do que realmente deveria estar, já que a dificuldade de Shadow of the Colossus não é lá essas coisas, mesmo no modo Hard que é habilitado após finalizar o jogo.

Conclusões finais

Se você é fã de uma aventura épica, de uma história de superações heroicas, de paisagens magníficas e de grandes óperas para os seus ouvidos, Shadow of the Colossus é de fato um jogo que eu recomendo fortemente, pois o considero um “Must Play“. Então corre logo atrás do The Ico & Shadow of the Colossus Collection e ainda ganhe de brinde a outra obra prima do Team Ico. Abaixo um vídeo comparativo das duas versões do jogo:

Esse que vos escreve só acha que a saída do tio Fumito Ueda do desenvolvimento do The Last Guardian significa que só veremos esse jogo em outra dimensão.