5 razões para se preocupar com a aquisição da Oculus pelo Facebook 1


8 Flares Facebook 3 Twitter 4 Google+ 1 Pin It Share 0 Email -- 8 Flares ×

aquisição da oculus pelo facebookSemana passada, o jovem esbanjador Mark Zuckerberg, dono da maior rede social do globo (e ultimamente mais megalomaníaco do que nunca), moveu mais uma peça do seu xadrez pessoal em sua busca de conquistar a internet e mais quantas tecnologias o seu limite de cartão de crédito permitir. Dessa vez o alvo foi a empresa Oculus, responsável pelo apoteótico Oculus Rift, que anunciamos aqui lá em meados de 2012. Pois bem, se você já é familiarizado com o Facebook e suas constantes atualizações e práticas publicitárias tidas como invasivas, esteja preparado para essa lista de:

5 razões para se preocupar com a aquisição da Oculus pelo Facebook.

1 – Propagandas! They are everywhere!

Pois é, no mundo da internet ou não, propagandas pipocam em nossas faces(tudum tzzz) a todo momento, e sabendo do histórico da grande rede social do Zuck-boy, não me espantaria se, de uma forma nada sutil, no meio de uma interação humano x realidade-virtual-coisa-linda-de-zeus, uma propaganda surgisse vigorosa e imponente para você e a sua pobre alma fraca e indefesa ao maléfico demônio do consumismo. Se você acha que minha preocupação é infundada, saiba que o próprio Zuckerberg já se pronunciou favorável a possibilidade de faturar com propagandas, já que o mesmo não tem interesse em lucrar com o Hardware per se.

2 – Figurões da indústria de jogos já se mostram insatisfeitos.

De nerd e desenvolvedor independente solitário e recluso, a milionário da indústria de jogos eletrônicos, Markus Persson (aka Notch) já demonstrou que o seu interesse em portar a sua galinha dos ovos de ouro (ou o Novo Lego das crianças) Minecraft para o Oculus Rift foi cancelado.

Além do tio Notch (proprietário da Mojang e do escritório mais fodástico EVER!), Justin Moravetz, criador do legitimamente aguardado Proton Pulse Rift, também tem lá as suas preocupações, como pode ser visto nesse post do site Polygon.

3 – Falta de Foco = Foco na caveira!

Por mais que a tecnologia do Oculus Rift não seja restritamente voltada para os jogos eletrônicos, o grande impulsionador da sua campanha no Kickstarter foi justamente esse mesmo nicho, e portanto, deve satisfação ao menos aos seus patrocinadores, que investiram dinheiro em uma promessa de finalmente termos Videogames e Realidade virtual caminhando juntos e de mãos dadas. Se estamos falando de um investimento bilionário em um produto com essa finalidade, feito por uma empresa que tem um foco verdadeiramente diferenciado, há de se imaginar que esse possível desvio de foco distancie ainda mais o sonho dos gamers de entrarem em sua própria Matrix 0.0.0.1 Alpha.

4 – Inclusive, os investidores já se revoltaram…

Como dito acima, a empresa Oculus, deve (ou deveria) dar satisfação aos seus investidores, e com a sua venda para o Facebook, muitos se sentiram traídos, ludibriados, enganados e até mesmo prejudicados (ora vejam só). Afinal de contas, pessoas como o Joel Johnson do site Kotaku, dedicou 300 obamas para financiar algo que ele acreditava, e em troca a empresa startup se vende sem ao menos vender um único e mísero produto finalizado. Como esse post tem todo o foco voltado aos games, é óbvio que esse ponto deve ser levado em consideração, posto que foram pessoas como Joel, que fizeram esse projeto do Oculus Rift sair do papel e ganhar vida.

5 – Vendeu pro Facebook e prejudicou o Kickstarter

Como em uma reação em cadeia, a venda da Oculus para o Facebook fez com que mais uma vez o site Kickstarter perdesse um pouco da sua credibilidade, já que existem inúmeros casos de projetos financiados que até hoje não viram a luz do dia (mas viram prontamente a cor do dinheiro). Por mais que os termos de compromisso da empresa Kickstarter deixem claro que a empresa não se responsabiliza pelo andamento dos projetos financiados, a opinião pública não encara as coisas de forma tão engessada e normativa. Pelo contrário, tem muita gente que já declara aos sete mares que não confiam mais no Kickstarter e que preferem ir ver o filme do Pelé a investir seu suado dinheiro em projetos visando nada mais do que o lucro.

Esse que vos escreve, no entanto, não aguenta de ansiedade para saber o que é que vai dar dessa compra, independente se isso afetará negativamente ou não o desenvolvimento de jogos para o periférico.

  • Junir Scesny

    Falando em kickstarter…se o Project Phoenix não sair eu perco minha fé na humanidade de uma vez por todas…E sim, acredito que o Zé Berg vai colocar propagandas na interface do aparelho, seja em menus ou durante uma pausa do game, agora, propagandas DURANTE uma partida seria o suicídio do aparelho…Espero pela Sony com seu modelo, quando há concorrência sempre tendem a melhorar o produto ou os serviços…