Lorde, gótica, ousada e autêntica, merece nossa atenção


15 Flares Facebook 2 Twitter 12 Google+ 1 Pin It Share 0 Email -- 15 Flares ×

helosa_araujo_lorde_gotica_01.2014.02.20Lorde, gótica, ousada e autêntica! Fazia muito, muito tempo que eu queria/deveria dividir mais essa experiência musical com vocês! A cantora que carrega o nome de batismo Ella Maria Lani Yelich-O’Connor que nasceu em Nova Zelândia, na cidade de Auckland, dia 7 de novembro (um dia antes do meu) de 1996 é a escorpiana que merece a nossa total atenção (Sim, ela tem apenas 17 anos).

Não vou dizer que Lorde, a jovem cantora e compositora, seja uma estrela que nasceu para brilhar e que há muito tempo não víamos nada igual na atual realidade musical. Não é disso que se trata esse meu post. Mas sim, Lorde merece o seu destaque. não só aqui, com em muitos outros meios que possam discutir ou fazer pensar sobre novas formas de músicas.

A cantora e compositora Lorde, começou na carreira com apenas 9 anos de idade, quando participou de um concurso de talentos de sua escola (da sua cidade natal) que acabou sendo gravada  por um pai de um de seus colegas de classe que foi parar nas mãos de Scott Maclachlan (um agente musical influente, que hoje é empresário da cantora, e que tem como principal objetivo de vida, salvar a indústria musical), que viu na Lorde um talento indescritível. Desde então, Lorde tem um contrato com a Universal Music com total apoio dos pais e, claro, um empresário.

Lorde, gótica? De uma maneira alternativa, sim, com certeza.

helosa_araujo_lorde_gotica_02.2014.02.20Para quem já andou pesquisando pela Wikipédia, já sabe que Lorde foi um nome escolhido pelo empresário como nome artístico de Ella Maria Lani Yelich-O’Connor, foi devido a fascinação que a cantora tem pela realeza e aristocracia. O nome foi escolhido após uma breve seleção, que passou por “Duke” e “Lord” até chegar em Lorde.

As produções musicais são tão efêmeras quanto as fotografias, cinema, moda, e qualquer outro tipo de produção (muitas outras coisas, como também notícias, mas que não vêm ao caso nesse momento) que acabam por não valorizar da maneira como deveria cada atuação sonora, cada nota, cada vídeo produzido como antes faziam. O tempo mudou, o tempo diminuiu. Não temos mais aquele tempo para ficar em casa durante horas ouvindo e refletindo a vida ao som de uma nova banda, ou artista musical. A velocidade com que a internet nos adicionou mais megabytes ilimitados ao alcance dos nossos minutos, modificou as formas de observar, ouvir e absorver. Lorde, merece a nossa atenção, nosso tempo e nossos ouvidos por alguns minutos. Uma jovem talentosa que pode ainda crescer bastante com sua música cheias de tiques nervosos e manias dançantes, contagiantes. Para se ter uma ideia, fica abaixo uma apresentação ao vivo de Lorde, gótica, frenética, e sombria com a sua música de maior sucesso até o momento, Royals.


Sobre Helosa Araújo

Graduada em Publicidade e Propaganda e especialista em Moda e Comunicação pela Universidade de Fortaleza, eterna estudante e pesquisadora (tendo como principais temas a fotografia, sociedade, cultura e etnias) e dona do blog Tem Na Fotografia. Teve seu primeiro contato com a fotografia (propriamente dita) em 2005 e depois de trabalhar em vários setores da comunicação se entregou aos clicks em 2007 e hoje não sabe ver uma cena sem um determinado olhar crítico pensando em uma forma de enquadrá-la. Profissionalmente falando, Helosa vivia dividida entre várias categorias da fotografia, passeou como freelancer pela fotografia Social, de Moda, Publicitária, Newborn e Documental, hoje, repórter fotográfica do jornal Diário do Nordeste tenta cumprir o seu papel de comunicadora visual usando a fotografia como sua principal ferramenta.