A evolução de Beyoncé Knowles explícita em seu novo álbum


17 Flares Facebook 7 Twitter 9 Google+ 1 Pin It Share 0 Email -- 17 Flares ×

Quando uma evolução simplesmente acontece, é explícita por todos os lados, mas no caso de Beyoncé Knowles, ficou bem claro em seu álbum, mais precisamente em seus vídeos clipes. Não sou perita em música, apenas sou uma amante dos bons sons, dançarina frustrada, dessas bem ecléticas que já sonhou em dançar com Michael Jackson quando criança e sempre ouviu The Beatles (mesmo sem saber até hoje a hora de bater palmas), ok, mas não estamos aqui para dividir minhas pérolas pessoais, e sim para falar da Diva.

beyonce4_whosnerd

Chega um momento na sua vida que você tem que cortar o cabelo, renovar o visual, cobrir um pouco mais as pernas (que não foi o caso, but it’s ok), assumir uma nova postura, seguir um rumo diferente, amadurecer. Foi o que aconteceu claramente com a Diva Beyoncé Knowles, que sempre teve uma veia fortemente hip-hop afro, mas assume agora suas raízes com mais ousadia, coragem e autoconfiança.

A cantora (não só cantora, mas também assume muitas outras funções como coreógrafa, arranjadora vocal e diretoria de vídeo) texana, nascida dia 4 de Setembro de 1981, que já passou por problemas com depressão e baixa estima devido ao sucesso repentino e o culto ao corpo advindo dos seus fãs e sociedade. Agora está, aparentemente, muito bem resolvida, assumida, amém!

Como acompanhei seus álbuns mais de perto, principalmente os da época de Destiny’s Child em minha adolescência, percebi mais claramente essa evolução brutal por todos os lados. Ao começar por seu novo corte de cabelo, que a primeira vista, levei um susto e até pensei que a virginiana fosse perder o seu poder Diva de ser, opinião que logo mudou assim que me deparei com seus novos vídeos e tudo mais. O corte foi merecedor, assim como todo o resto.

É perceptível que algo foi modificado, alguma estratégia ou new move foi pensado e adicionado. O que é sempre muito bom, mas, claro, existem as falhas, nada é perfeito, muito menos Beyoncé Knowles (sorry, fãs). Ao ouvir todo o seu novo álbum, foi satisfatório aos ouvidos, sons e batidas que agradáveis, nada que me fizesse clicar no bom e velho repeat (não vou mentir que fiquei com vontade de pedir bis em Pretty Hurts), voltadas mais pra batida hip-hop afro oriental sexy, saindo daquele áudio dance clubs dos álbuns anteriores.

Já os vídeo clips, apesar de ter um adicional Q sensual, a semi nudez excessiva é desnecessária, mas como se trata da Diva num corpo lindo dançando pra lá e pra cá, ninguém acha ruim, não é? O que também é observável é a repetição, a semi nudez não é só excessiva em um único video clip, mas em alguns, mudando apenas as roupas (se é que podemos chamar de roupa). O que eu também acho que o público em geral não está achando ruim, visto que suas novas músicas estão no topo das paradas há três semanas.

Fiz uma seleção de alguns vídeos novos e, claro, a lista das músicas do novo álbum, sem esquecer de por um inesquecível vídeo antigo da Beyoncé ainda em Destiny’s Child! Espero que gostem e tenham gostado da nova sessão musical no Who’s Nerd?, vou sempre procurar trazer as novidades musicais que rola por ai!

Playlist – Álbum Beyoncé

01 – Pretty Hurts

02 – Ghost

03 – Haunted

04 – Drunk In Love

05 – Blow

06 – No Angle

07 – Yoncé

08 – Partitition

09 – Jealous

10 – Rocket

11- Mine (feat. Drake)

12 – XO

13 – ***Fawless (Feat. Chimamanda Ngozi Adichie)

14 – Superpower (Feat. Frank Ocean)

15 – Heaven

16 – Blue (Feat. Blue Ivy

17 – Grown Women (bonus video)

 

 


sobre Helosa Araújo

Graduada em Publicidade e Propaganda e especialista em Moda e Comunicação pela Universidade de Fortaleza, eterna estudante e pesquisadora (tendo como principais temas a fotografia, sociedade, cultura e etnias) e dona do blog Tem Na Fotografia. Teve seu primeiro contato com a fotografia (propriamente dita) em 2005 e depois de trabalhar em vários setores da comunicação se entregou aos clicks em 2007 e hoje não sabe ver uma cena sem um determinado olhar crítico pensando em uma forma de enquadrá-la. Profissionalmente falando, Helosa vivia dividida entre várias categorias da fotografia, passeou como freelancer pela fotografia Social, de Moda, Publicitária, Newborn e Documental, hoje, repórter fotográfica do jornal Diário do Nordeste tenta cumprir o seu papel de comunicadora visual usando a fotografia como sua principal ferramenta.